Cirurgia nasal - Septoplastia

          Nesta seção trataremos de cirurgias nasais que tem como objetivo a melhora do conforto respiratório, indicadas em pacientes que sofrem com obstrução nasal e desconforto respiratório. Existem diversas técnicas que podem ser empregadas para a melhora da respiração nasal. A indicação deve ser individualizada, realizada após cuidadoso exame físico e endoscópico feito por médico otorrinolaringologista. A seguir descreveremos alguns aspectos das principais técnicas cirúrgicas.

Septoplastia

          O septo nasal é uma estrutura ósseo-cartilaginosa que divide as cavidades nasais. em geral está em posição mediana. Em alguns casos, o septo nasal apresenta desvios de seu formato e posição, podendo contribuir de maneira significativa para obstrução do nariz. O desvio no septo nasal pode assumir inúmeras apresentações, variando muito em intensidade e localização.

          Quando o desvio no septo nasal é obstrutivo, sua correção cirúrgica contribui muito para a melhora na respiração nasal. Trata-se de cirurgia de pequeno porte, feito com vídeo-endoscópio e com mínimo desconforto para o paciente no pós-operatório. Em geral a cirurgia é realizada com anestesia geral, mas em algumas situações pode-se realizar o procedimento com sedação e anestesia local.

           Todo o procedimento é feito pela via natural do nariz, ou seja, não há incisão externa, nem modificação da aparência do nariz. Também não ocorre edema facial ou equimoses no pós-operatório. O pós-operatório não costuma ser doloroso, e quando ocorre dor, esta é de intensidade leve. O principal cuidado no pós-operatório é a limpeza frequente das cavidades nasais com soro fisiológico.

desvio do septo nasal

Turbinoplastia

          Os cornetos inferiores são estruturas do nariz que apresentam intensa reação a fatores ambientais, como mudanças de temperatura, umidade, presença de poluentes e alérgenos. Em pacientes com rinite alérgica tornam-se hipertróficos (inchados) e contribuem de maneira decisiva para obstruir o nariz e impedir uma respiração confortável e prazeirosa. 

             Quando o tratamento clínico com limpeza nasal e medicações não é satisfatório ou quando o paciente não tolera ficar sem o uso de cortico-esteróides, indica-se a cirurgia de redução dos cornetos inferiores, ou turbinoplastia. O objetivo deste procedimento é reduzir o volume dos cornetos, retirando o tecido em excesso, porém preservando uma parte do órgão para que possa manter suas funções (aquecimento, filtragem e umidificação do ar inspirado pelo nariz).

         

          A turbinoplastia é realizada com vídeo-endoscopia, em geral associada à septoplastia. O pós-operatório é parecido com o da septoplastia, e com o advento do vídeo-endoscópio é possível dispensar o uso de tampões no nariz, curativo doloroso e incômodo, usado no passado. Após este tratamento cirúrgico, é fundamental que o paciente adquira o hábito de lavar o nariz com soro fisiológico, e trate a doença alérgica adequadamente, para que possa manter o resultado de respiração satisfatório pelo maior tempo possível. 

hipertrofia do corneto inferior

após turbinoplastia

Rinosseptoplastia funcional

                Em alguns casos, outras estruturas contribuem para a obstrução do nariz. Uma dessas estruturas é a válvula nasal. Esta região forma a parte lateral da pirâmide do nariz e em alguns pacientes pode apresentar uma fragilidade durante a inspiração, colapsando e obstruindo o fluxo respiratório.

          Nestes casos, para se ter sucesso no tratamento cirúrgico, é necessário abordar essa região, sob pena do procedimento não ter o resultado esperado. Diversas técnicas foram descritas para realizar o reforço da válvula nasal, desde procedimentos mais invasivos, com grande repercussão estética, até procedimentos mais leves de reforço da válvula.

          Dentre as principais técnicas, vamos citar dois tipos de enxertos de cartilagens autólogas (do próprio paciente) que podem ser utilizadas para reforçar as válvulas nasais. O "spreader graft" é enxerto localizado entre a borda superior do septo nasal e cada uma das cartilagens laterais, aumento o ângulo superior da vávula nasal  e melhora a área dessa de secção desta região. O enxerto chamado "alar batten" é colocado nas margens laterais das válvulas nasais, reforçam esta região e dificultam o seu fechamento. Nos Estados Unidos é conhecida como "breathe right surgery".  Estas duas técnicas citadas determinam pouca ou nenhuma repercussão estética e tem boa eficácia no controle do colapso de válvula nasal.

exemplo de colapso de válvula nasal

alar batten

spreader graft

FDr. Fernando Mirage Jardim Vieira

CRM 15277   RQE 7553  /  13162 

Rua Prof. Herminio Jaques 135   -  Florianópolis  SC

48 30296900 / 48 991114-2077  

fernando@institutosomed.com.br

  • Facebook Basic Square